A CRIAÇÃO               

     A História nos aponta que, em 1650, James Usher, arcebispo de Armagh, na Irlanda, grande autoridade em estudos bíblicos, sobretudo em numerologia, proclamou o resultado de suas pesquisas sobre a idade do Universo. Em seu entendimento, a Criação teria acontecido no ano 4004 a.C.

     Tal afirmativa recebeu o aplauso dos religiosos e foi aceita, ou imposta, à Ciência da época. Lembre-se, caro leitor, que Giordano Bruno, grande filósofo italiano, havia morrido na fogueira, condenado pela Santa Inquisição, apenas 50 anos antes, em 1600, por ter afirmado que o Sol era o centro do sistema planetário, que a Terra se movia e por outras heresias, como existirem outros planetas  habitados.

     As afirmativas de Usher foram posteriormente confirmadas por John Lightfoot, Mestre do St. Catherine's College, de Cambridge. Para o ilustre religioso, a Criação teria ocorrido no dia 23 de outubro, precisamente às 9 horas da manhã do ano de 4004 a.C.

     Estariam certos esses teólogos? O Universo teria sido criado há cerca de 6.000 anos, como querem, até hoje, muitos religiosos? Seria realmente esta a verdade? Ou, mais uma vez, os homens concluíram iludidos pela letra, impulsionados por interesses às vezes mesquinhos, sem levarem em conta o espírito da letra?

     Qual a realidade? Teria o Universo apenas 6.000 anos, como queriam Usher e Litghtfoot ou como entende a Ciência atual, que estabelece a criação do Universo há 20 bilhões de anos, quando um átomo, uma partícula de energia extremamente concentrada, explodiu, dando origem ao Universo? Esta é a teoria da "Grande Explosão" ("Big Bang") proposta pelo astrônomo belga Georges Lemaître.

     A "Grande Explosão" teria arremessado a imensidão de partículas que, no decorrer dos milênios, deu origem às galáxias e a todos os objetos celestes.

     Segundo a Cosmologia mais moderna, a imensidão de poeira cósmica, resultante do Big Bang, espalhada no espaço, determinou o aparecimento dos corpos celestes: galáxias, nebulosas, estrelas, planetas, asteróides, cometas, quasar e outros corpos siderais.

     As galáxias são grandes conjuntos de estrelas, separadas umas das outras por grandes distâncias. Existem mais de 100 bilhões de galáxias no Universo e cada uma delas é formada por dezenas, centenas de bilhões de estrelas.

     Nosso sistema solar pertence a uma galáxia: a Via Láctea, que surgiu há 14 bilhões de anos, com o nascimento das estrelas pela condensação de grandes nuvens de poeira cósmica resultante da Grande Explosão. Os astrônomos calculam que ela possui mais de 100 bilhões de estrelas.

     Sabe-se hoje que há 4,5 bilhões de anos uma imensa nuvem, existente em nossa galáxia, começou a se concentrar e, por ação da força da gravidade, principiou a girar, concentrando-se no centro e ficando cada vez mais quente e brilhante. Pontos de maior condensação formaram-se em vários locais do disco de nuvem que envolvia o núcleo, constituindo os chamados protoplanetas. Com o desenvolvimento do processo de reações químicas e termonucleares, o centro da nuvem deu origem a uma estrela denominada Sol e os núcleos ao seu redor formam os planetas: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte, Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão, compondo o Sistema Solar.

     Nossa Terra, assim formada, era há 3,5 bilhões de anos uma enorme esfera incandescente - verdadeira bola de fogo girando em torno do Sol. Aos poucos, com o passar dos milênios, a superfície da Terra foi esfriando, de tal sorte, que, há 3 bilhões de anos, se formou a crosta terrestre, com terras e mares, continuando a parte interna a mais profunda como matéria efervescente.

     O Universo é tão grandioso, que os cientistas determinam as distâncias com uma medida chamada ano-luz. Um ano-luz corresponde ao espaço percorrido pela luz em um ano. Sabe-se que a luz se move à velocidade de 300 mil quilômetros por segundo; portanto, em um segundo, a luz percorre 300 mil km; em um minuto 19 milhões de km; em 1 hora, 1 bilhão e 80 milhões de km; e, em um ano percorre 9 trilhões e 461 bilhões de km.

     Voltemos à nossa galáxia, para melhor a conhecermos: A Via Láctea tem forma espiral. Tem 180 mil anos-luz de diâmetro e 16 mil anos-luz de altura. Movimenta-se continuamente no espaço sideral, girando em torno de si mesma, a uma velocidade de 280 km por segundo, e leva 200 milhões de anos para dar um giro completo sobre si mesma.

     Para termos uma idéia da grandiosidade da Criação Divina, lembremos que a estrela mais próxima do nosso Sol, a Alpha Centauri, está distante cerca de 4 anos-luz (37 trilhões de quilômetros) e o "objeto" mais distante, que é um "quasar" (objeto de aparência estelar), está a 17 bilhões de anos-luz (17 bilhões x 9 trilhões e 461 bilhões de quilômetros).

(Obra: Tire suas dúvidas - Grandes Temas Espíritas - autor: Homero Moraes Barros - edição março de 2.000 - Visite: www.mariadenazare.com.br).             PRÓXIMA